Media Room

Network for Ideas Information and News

Inovação, novos mercados e promoção são as saídas para os estacionamentos

São Paulo - Para reverter os efeitos da crise, que diminuiu drasticamente a demanda por vagas nos estacionamentos, empresas do setor têm apostado suas cartas principalmente em três estratégias: forte investimento em automação, mudança no perfil de expansão - fugindo das regiões comerciais - e redução da tarifa cobrada.

"Hoje em dia, existe mais oferta de vagas do que demanda. Há três anos a situação era inversa", resume o presidente da Associação Brasileira de Estacionamentos (Abrapark), Sérgio Morad. O executivo complementa que a recessão gerou uma ociosidade no setor que gira em torno de 20% a 25%. "Em alguns segmentos, como novos edifícios comerciais, a ociosidade é ainda maior".

A operadora de estacionamentos Indigo, segunda maior do Brasil com 170 empreendimentos, sentiu uma redução no fluxo de consumidores justamente nas operações de prédios comerciais e garagens, cujo movimento caiu em cerca de 5%. "Desde que notamos a desaceleração do mercado imobiliário, temos essa diretriz de não focar nos prédios comerciais, e buscar expandir em hospitais e universidades, segmentos mais resilientes", diz o presidente da companhia, Fernando Stein. Ao contrário dos empreendimentos comerciais, o fluxo nesses dois segmentos vem crescendo.

Outro movimento que tem ocorrido no setor é uma migração para regiões mais residenciais. "A oportunidade de mercado existe, e há de fato esse movimento das empresas buscarem bairros mais residenciais, mas nada que possa compensar os efeitos da crise", ressalta Morad.

Automação

Diante desse cenário, para aumentar a eficiência dos negócios e reduzir custos operacionais, a automação tem ganhado ainda mais força dentro do setor, com a instalação em larga escala dos chamados 'totens' de autoatendimento, além de investimentos em sistemas de gestão e controle. De acordo com Morad, da Abrapark, esse movimento já acontece há alguns anos, mas se intensificou bastante com a crise econômica.

Na Indigo, isso já é uma realidade e a empresa tem feito um investimento muito grande nos caixas automáticos e apostado em tecnologias de gestão e controle das áreas dos estacionamentos. O sistema ConectPark, por exemplo, já foi instalado em 120 das 170 unidades da empresa. Segundo Stein, a ferramenta otimiza a gestão dos espaços e gera ganhos consideráveis para as operações, que chegam a apresentam rentabilidade acima da média do mercado.

Em outra frente, e visando atrair mais os consumidores, uma ação que tem sido muito adotada pelas companhias do setor é a redução das tarifas. "Isso é uma necessidade no atual cenário. As empresas precisam fazer isso para brigar por essa demanda que vem diminuindo", afirma Morad.

Apesar da constatação do especialista, a Indigo diz que a redução dos preços não faz parte das estratégias da empresa, e que tem apostado em outras formas de aumentar o fluxo, como a criação de novos serviços e o investimento na plataforma mobile.

Consolidação

O movimento de maior consolidação do setor é outro aspecto que Morad acredita que tenha se fortalecido com a recessão. "Essa consolidação de mercado vem acontecendo bastante, com investimentos mais massivos das grandes empresas do ramo", diz.

Prova disso, as duas maiores operadoras de estacionamentos do País, Estapar e Indigo, têm planos ambiciosos para os próximos anos, com grandes aportes previstos. A primeira, controlada pelo banco BTG Pactual, recebeu recentemente um investimento de R$ 400 milhões do fundo norte-americano Equity Internacional e já possui um montante de mais de mil estacionamentos em operação. Para este ano, a previsão é fechar com receita consolidada de mais de R$ 1 bilhão, mantendo a taxa de crescimento anual de 30%, vista desde 2009.

A segunda, por sua vez, planeja fechar este ano com 200 unidades (30 a mais do que possui atualmente), e, até 2019, a ideia é contar com cerca de 400 operações.

Para isso, a Indigo prevê um investimento de aproximadamente R$ 450 milhões entre 2015 e 2019. "No ano passado investimos R$ 50 milhões. Este ano mais R$ 100 milhões, e pretendemos investir mais R$ 300 milhões nos próximos três anos", diz o presidente da rede.

Em 2015, o faturamento da companhia fechou em R$ 195 milhões - uma alta de cerca de 130%, ante os R$ 85 milhões registrados no ano anterior. Para 2016, a meta é mais que dobrar os ganhos e faturar cerca de R$ 430 milhões.

 

Read too

4all e Opus criam a Uhuu, empresa de venda de ingressos

A Opus e a 4all se uniram para criar a Uhuu, uma plataforma digital que opera por meio de site, aplicativo e ponto de venda físico para venda de ingressos e vouchers. A ideia é que os usuários possam fazer compras antecipadas de produtos e […]

Delivery Center, partner of BRMalls, plans to open 200 centers in malls

Delivery Center, a partner of BRMalls, plans to reach a total of 200 plants in operation in the country in the short to medium term. The company already has nine units in operation and another five to be opened this month. By 2019, it is […]

Papo Econômico

O Sheraton reuniu seletos 150 convidados na última terça para o evento que trouxe o ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco para uma conversa econômica.

Sete de Setembro, 630
Bairro Centro Histórico – CEP 90010-190 – Porto Alegre – RS – Brasil

Copyright 2019 - Network for Ideas - Todos os direitos reservados.